01 abril 2009

*** Mordidas na infância: Como lidar com isso? ***


Há um texto muito interessante da Revista Educar ano 2005, que fala exatamente sobre isto ressalta que há um período da infância em que comumente vemos crianças dando mordidas ao primeiro sinal de estresse. Isso porque, nos primeiros anos de vida, as crianças passam pelo que chamamos de “fase oral”.

O termo, criado pelo pai da psicanálise Sigmund Freud, explica o estágio mais primitivo de desenvolvimento, quando as necessidades, percepções e modos de expressão da criança estão originalmente concentrados na boca, lábios, língua e outros órgãos relacionados com a zona oral. As crianças na idade oral ainda não verbalizam com fluência e a linguagem do corpo acaba sendo mais eficaz. Nesta fase ela é egocêntrica, o que significa que imagina que o mundo funciona e existe por causa dela. Portanto, em sua concepção, tudo o que deseja deve ser prontamente atendido e, quando isso não ocorre... Nhack

A mordida é uma das primeiras formas de relacionamento, seja pela disputa de objetos ou pela atenção; o que a criança deseja ao morder um amiguinho não é agredi-lo, mas sim obter de forma rápida algum objeto ou chamar atenção. Pais e educadores devem entender que a liberdade para a disputa é fundamental para o desenvolvimento humano, mas é claro que devem se empenhar para que esse comportamento seja controlado, incentivando a criança a utilizar sempre a linguagem verbal.

A passagem da fase acontece de forma gradativa, quando a criança sai do egocentrismo e começa a descobrir o prazer de brincar com o outro, quando se inicia o processo efetivo de socialização e conforme as crianças crescem, elas aprendem a controlar suas emoções e se expressar através da fala, deixando a mordida de lado. “O importante é que tanto a escola quanto os pais saibam usar este momento para ensinar á criança regras de convivência”.

Apesar de, na maioria das vezes, a mordida fazer parte do desenvolvimento natural da criança, alguns psicopedagogos alertam que, em alguns casos, este comportamento pode sinalizar um problema de ordem emocional. “Se estas mordidas passam a ser freqüentes, a criança pode estar insatisfeita, ansiosa, com sentimento de rejeição e tenta chamar a atenção através da agressividade. Quando isso acontece, a família e a escola precisam acompanhar de perto e com atenção para descobrir as possíveis causas. Falta de carinho e atenção?! Como é a estrutura familiar?! E, dependendo do caso, é importante buscar a ajuda de um psicólogo”, orientam.

Contudo os casos de ordem emocional não são em si a maioria.

Definimos então como necessária a compreensão de um dos mais importantes estágios do desenvolvimento psicossexual infantil, e por acreditar nisso que retirei um breve texto sobre o assunto do livro Compêndio de Psiquiatria dinâmica de Kaplan & Sadock, Ed. Artes Médicas, que relata a fase das mordidas também chamada de fase oral.

COMO SE DÁ ESSE ESTÁGIO OU FASE ORAL:

Definição: Este é o estágio mais primitivo do desenvolvimento. As necessidades, percepções e modos de expressão do bebê estão originalmente concentrados na boca, lábios, língua e outros órgãos relacionados com a zona oral.

Descrição: A zona oral mantém seu papel dominante na organização da psique através dos 18 primeiros meses de vida aproximadamente.

As sensações orais incluem: a sede, fome, estimulações táteis, prazerosas evocadas pelo mamilo ou seu substituto, sensações relacionadas com a deglutição e satisfação.

Os impulsos orais consistem em dois elementos separados: libidinal e agressivo.

Os estados de tensão oral levam à procura da gratificação oral, tipificada pela tranquilidade no final da alimentação. A trindade oral consiste no desejo de comer, dormir e alcançar a relaxação que ocorre no final da sucção, logo antes de começar a dormir. As necessidades libidinais (erotismo oral) são consideradas predominantemente nos primeiros estágios da fase oral; mais tarde mesclam-se com componentes agressivos (sadismo oral). A agressão oral pode manifestar-se na ação de morder, mastigar, cuspir ou chorar. Está vinculada aos desejos e fantasias primitivos de morder, devorar e destruir.

Objetivos:

· Estabelecer uma dependência confiante nos objetos que proporcionam cuidados e apoio;

· Estabelecer expressão confortável e gratificação das necessidades libidinais orais sem excessivo conflito ou ambivalência de desejos orais sádicos.

Traços Patológicos: A gratificação ou privação oral em excesso podem resultar em fixações libidinais, que contribuem para os traços patológicos. Esses traços podem incluir excessivo otimismo, narcisismo, pessimismo (visto com frequência nos estados depressivos) e o hábito de reclamar. Os caracteres orais são, com frequência, excessivamente dependentes e exigem que os demais os sirvam e olhem por eles. Tais pessoas querem ser alimentadas mas podem desistir excepcionalmente a fim de conseguir ser servidos em retribuição. Os caracteres orais muitas vezes são extremamente dependentes dos objetos para manter a auto-estima. A inveja e o ciúme estão frequentemente associados aos traços orais.

Traços de Caráter: O êxito na resolução da fase oral proporciona uma base na estrutura do caráter para a capacidade de dar e receber sem excessiva dependência ou inveja; uma capacidade de confiar nos outros com um sentimento de segurança e com sentimentos de confiança e segurança próprios.

É meus caros amigos educadores e curiosos a respeito do comportamento infantil e humano, nada na verdade parece ser o que é realmente né?

Pois é, a criança é uma caixinha de surpresas que podem ser agradáveis ou não, depende de quem as conduz.

Observar as fases de desenvolvimento é o caminho para muitos problemas futuros que são facilmente agregados a personalidade ainda em formação

Um comentário:

Lilian Alves da Silva disse...

A minha filha tem 4 anos e ela ainda morde, confesso que não sei mais o que fazer, tento fazer tudo para seu comportamento mude mais não tem dado certo. Confesso preciso de ajuda!Na família:estou bem com meu marido vai fazer 5 anos de casados nunca brigamos e damos sim amor e carinho da maneira que tem que ser "eu acho".Se possível me ajudem. obg! LILIAN ALVES DA SILVA
CAMPINA GRANDE - PB